terça-feira, 15 de julho de 2014

Quem ganhou e quem perdeu com a Copa das Copas...:


1- sem dúvida ganhou Dilma, o Governo, os aliados e os que sustentaram que tudo seria ótimo....a vida e o mundo deram e dão razão a esta perspectiva...

2- perdem Aécio, o PSDB, o PIG e todos os covardes, os agourentos, os malditos coxinhas que previram, apostaram, aterrorizaram, com o mais vil dos armamentos: bombas de estilhaçamento moral, com o veneno do complexo de inferioridade, do ódio e da inveja...nada do que disseram aconteceu. TOSCOS...

3- fica claro que os coxinhas não foram capazes de sustentar junho...Não são donos nem representantes, as máscaras de anonymous não simbolizam tudo aquilo, apenas uma parte...

4- a democracia precisa ser aprimorada no país...pessoas em quem confio denunciaram excessos pelo estado, inadmissíveis, se não explicados e justificados...É preciso debater esse e outros temas durante a Reforma Política, que espero vir por constituinte exclusiva...

5- ganha o setor de turismo e serviços que terao muito mais trabalho e negócios a partir deste momento, eliminando qualquer dúvida sobre nossa capacidade de receber, e receber bem...

6- O Brasil resignifica sua imagem ao mundo, fechando um ciclo iniciado com a eleição de Lula, melhorando sua feição, de alegria, simpatia, agregando a eficiência e segurança... nós e, e todo o mundo, saímos melhor que entramos nesses mágicos dias por que passamos, de junho e julho de 2014..
 


por fim, muitos mais elementos, mas considero estes preponderantes...em debate...

quarta-feira, 9 de julho de 2014

A DIFERENÇA ENTRE CIÊNCIA, FILOSOFIA E RELIGIÃO




                A ciência trata de matérias específicas, de partes da realidade, suas leis específicas, em diálogo com as irmãs (demais ciências de um mesmo gênero, por vezes até de gêneros diferentes), e com a filosofia, de seus princípios. Existem opiniões diversas sobre o que pode ser caracterizado como ciência ou não. A principal caracterização pelo senso comum, do que significa uma ciência, é algo exato, ou muito próximo disso. Essa exatidão,  é viável (na grande maioria dos casos) quando fundamentadas por cálculos ou experiências laboratoriais.
                 As chamadas Ciências Humanas, como História e Geografia, dependem de aspectos que podem aproximar-se, em boa parte das vezes, do que chamamos de realidade, ou da efetividade em seu desenvolvimento, sendo difícil a aproximação, em centímetros, do objeto. Há os que considerem, apesar disso, que estas últimas, por terem formas e conteúdos definidos e um conjunto de práticas e tradições, têm o suficiente para julgarem possuir ciência de seus objetos. De fato, algo antecede essa discussão, pois, também há quem diga que a exatidão absoluta é tão verdadeira quanto um equino alado, e que a simples atuação nessas esquinas do conhecimento humano gerariam uma ciência desta posição específica, o que parece lógico, podendo a realidade (e é o que muitas vezes acontece), modificar seu rumo, a partir do movimento para a geração uma ciência qualquer.
                A primeira difere da segunda, a Filosofia, porque a última é um discurso da realidade sobre si, de acordo com uns, ou uma perspectiva de uma realidade externa, segundo outros. Mas, de uma, ou outra forma, essa trata de princípios ou fundamentos, ou ainda coisas principais e funções vitais, do que existe, seja conosco, ou para nós. De qualquer forma, essa tem seu quintal bastante claro, cristalizando, dissecando, juntando ou separando, tudo, a seu juízo.
                A terceira difere mais da primeira que da segunda, pois, a Religião tende a tratar dos inícios, e dos problemas centrais, os dilemas mais importantes, da humanidade, mas, diferente da Filosofia Laica, apresentando caminhos, com conteúdos e formas, ligados a entes não demonstráveis fisicamente, uma superação. Em geral há uma moralidade, na maior parte das vezes explícita, sobre as condutas desejáveis, ou não, e reprimendas para a transigência, e bônus para a intransigência destas.